segunda-feira, 24 de abril de 2017

O QUE FAZER...


O QUE FAZER com aqueles restinhos de queijo que sobraram?
 Simples, cortar em tirinhas bem finas ou ralar para acrescentar às sopas e cremes, enriquecendo os pratos!

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

QUEIJO CREMOSO

Sanduíches de pão integral e queijo cremoso, uma saladinha e qualquer outro ingrediente! Um charme para o fim de tarde, pede um vinho branco, qual a sugestão?


sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

QUEIJO FRESCO

     Os queijos frescos são produzidos para consumo imediato, com um percentual de humidade maior que os demais e normalmente encontrados imersos em seu próprio soro. Uma grande variedade deste tipo é encontrada em todos os lugares, na França o Petit- Suisse, Itália os Formaggini, Espanha o Flor de Oro, Estados Unidos o Cottage, Brasil o Minas Frescal.
     A vantagem da maioria deles é que têm um baixo teor de gordura e por isto são indicados para muitos tipos de dietas. Algumas ideias de utilização bem simples e saborosa para estas delícias próprias para o verão:
v  Cottage temperado com ervas frescas picadas para servir com biscoitos de arroz;
v  Minas frescal cortado em cubos pequenos misturado a uma salada de folhas verdes;

v  Ricota ralada sobre macarrão de batata doce;

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

GREEK SALAD

     A combinação de saladas com queijos é uma opção para complementar qualquer refeição. De um jantar formal ao mais simples lanche, o uso desta parceria com criatividade encanta todos os gostos.
     Para comemorar a chegada do verão e dar seguimento a proposta de aproveitar ao máximo aqueles pequenos pedaços que sobraram, mais uma sugestão de receita:
                                                    
                                                GREEK SALAD
INGREDIENTES:
3 tomates maduros
1 pepino japonês
3 cebolas roxas
1 pimentão verde
150g de azeitonas pretas
150g de queijo feta*
2 ramos de hortelã fresca
2 ramos de salsa fresca
2 ramos de orégano fresco
3 colheres de sopa de vinagre de vinho branco
½ xícara de azeite de oliva
½ colher de chá de sal
1 pitada de pimenta preta moída
PREPARO:
     Cortar os tomates e o pimentão em pedaços grandes, descascar o pepino, retirar as sementes e cortar a polpa da mesma forma. Descascar e fatiar as cebolas misturando-as com os outros vegetais, acrescentar as azeitonas e o queijo cortado em cubos. Em um recipiente separado misturar as ervas frescas picadas com o azeite, o vinagre, o sal e a pimenta, juntar aos demais ingredientes e servir imediatamente.

*O queijo feta pode ser substituído por queijo minas ou até mesmo por sobras de gorgonzola.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

PROVENCE


     É quase impossível pensar em degustar um queijo sem um vinho para acompanhar. Com forte influência da Provence o rosé é uma escolha perfeita para o verão.
     A Provence é uma região na França cuja tradição na produção de vinhos remonta ao tempo dos romanos. Nela existem zonas individuais bem estabelecidas com um legado diversificado de variedades de uva. Com isto, estão sendo feitos vinhos de alto nível, entre eles o rosé suave, de perfume intrigante, seco o suficiente para realçar a culinária regional. 
Para harmonizar com este vinho encontramos o Poivre D’Âne, queijo de leite de vaca ou de cabra da região da Provence. De produção artesanal é facilmente encontrado nas fromageries, com um mês de maturação, envolto em segurelha - Satureia hortensis - erva do sul europeu de aroma semelhante ao tomilho e à hortelã, com toque picante.
     Sugestão: Por não haver o costume disseminado de seu consumo, os vinhos rosé de excelente qualidade são mais facilmente encontrados em casas especializadas.
Para acompanhar, um queijo fresco pode ser temperado com uma mistura de azeite de oliva, tomilho e hortelã frescos  picados. Outra opção são os queijos de mofo azul, como o gorgonzola.

sábado, 10 de dezembro de 2016

FRITADA DE QUEIJOS

INGREDIENTES:
4 ovos
1 cebola
1 cenoura
1 xícara de espinafre
1 colher de sopa de salsa ou manjericão
1 xícara de queijos*
1 colher de sopa de manteiga
1 colher de sopa de óleo de canola
1 colher de chá de sal
1 colher de chá de pimenta moída
*os queijos podem ser as sobras e retalhos de mozzarella, gouda, gruyère, emmenthal, gorgonzola, prato, colonial, minas e até mesmo brie.
   
PREPARO:
     Em uma tigela bater ligeiramente os ovos com um garfo, acrescente o sal, a pimenta, as ervas e os queijos e reservar.    
     Picar a cebola e fritar no óleo e na manteiga, em uma frigideira grande, até dourar. Acrescentar a cenoura ralada e cozinhar por aproximadamente 5 minutos com um pouco de água, juntar então o espinafre cru, picado, misturando bem. 

     Colocar então a mistura de ovos e queijos na frigideira sobre o refogado de legumes, mexendo levemente com uma espátula, distribuindo de forma uniforme todos os ingredientes. Deixar fritar por alguns minutos e virar com a ajuda de um prato para dourar o outro lado. Servir quente com uma salada de folhas verdes.

O que fazer?


     Queijo não pode faltar na geladeira, mas acontece que, em determinados momentos como depois de uma maravilhosa tábua de queijos, um acúmulo de pequenos pedaços de diferentes tipos leva a indagação: O QUE FAZER COM TUDO ISTO?

     Segue uma série de publicações com sugestões para resolver este problema:

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

     Blue cheese,  ou queijos azuis, pertencem a uma grande família de queijos produzidos com mofo, podendo ser de diferentes tipos de leite. Provenientes de diversas regiões os mais conhecidos são o gorgonzola, da Itália, o roquefort, da França e o Stilton, considerado o rei dos queijos ingleses. Para obter qualquer um deles no processo de fabricação do queijo, é adicionado à massa fresca o fungo Penicillium roquefort. Este fungo ao se desenvolver no interior dos queijos produz a cor azul escuro, o que dá o nome de queijo azul.
     O processo de maturação aplicado faz com que o sabor e aroma fiquem fortes nestes tipos de queijos.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Brie, Gouda e Parmesão,






Brie, queijo de massa mole, Gouda, queijo de masa semidura, Parmesão, queijo de massa dura

Classificação de queijos

      O sabor e o aroma do queijo depende de vários fatores, tanto a forma como é feito, como o local onde é produzido podem influenciar significativamente nestas características.
      Os queijos de massa mole normalmente possuem sabor mais suave que os de massa dura. Isto ocorre porque o tempo de maturação intensifica o sabor e o aroma. Com isto, uma maneira fácil de classificar os queijos é quanto ao tipo de massa, a seguir esta classificação:
*Massa mole: são os queijos que mantém uma quantidade de soro em sua composição, que não foram completamente drenados. Alguns exemplos são o minas frescal, a mozzarela fresca, o boursin, o fior de latte, o cottage.
*Massa semidura: são os queijos que tem menor quantidade de soro em sua composição, que já passaram por um processo de maturação. Podemos citar o queijo prato, o gouda, o itálico, o  minas padrão, o colonial. Tempo de maturação de até 6 meses.
*Massa dura: são os queijos que tem muito pouca quantidade de líquido na massa, que passaram por um tempo maior de maturação. O que torna o sabor e aroma mais fortes, muito acentuado. Estes são o parmesão, o grana padano, o emmenthal, o provolone, o cheddar.

     Existem outras formas de classificar os queijos...

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Produzindo queijos

      Os queijos frescos são muito fáceis de produzir, exigindo poucos equipamentos e demandando também pouco tempo na produção ou envelhecimento. Queijos frescos são também conhecidos como queijos de coalhada ácida, pois em algumas vezes eles dependem apenas do ácido para coagular a coalhada.
Dependendo do tipo de queijo, você pode iniciar a produção de manhã ou no meio do dia, e em poucas horas ter um queijo para o lanche da noite, como o Boursin, por exemplo.
     O Boursin é um queijo cremoso, de sabor suave e textura delicada, apenas uma pitada de sal ou de algumas erva e pode acompanhar saladas e pães em qualquer ocasião.
     Para obtê-lo é necessário apenas aquecer um litro de leite fresco, adicionar 3 a 4 gotas de limão e deixar descansando por 4 horas em recipiente fechado. Quando o leite estiver coalhado é preciso coar em um pano de algodão bem limpo até que todo o soro seja retirado. O boursin está pronto para o consumo, bastando apenas adicionar o tempero desejado e servir.

sábado, 12 de novembro de 2016

Risoto com ricota defumada

Ingredientes:
     1 ricota defumada
     1 cebola pequena
     1 cenoura
     3 ramos de manjericão
     2 xícaras de arroz para risoto
     4 xícaras de água quente
     1/2 colher de chá de sal
     1 pitada de açúcar
     1 xícara de vinho branco
     2 colheres de sopa de óleo de canola
Preparo:
     Picar a cebola, a cenoura e o manjericão e reservar,  ralar a ricota em lâmina grossa. Em uma panela fritar a cebola  no óleo até que comece a dourar, acrescentar a cenoura com a pitada de açúcar misturando bem e o arroz. Adicionar aos poucos, mexendo sempre, o vinho branco, o sal e o manjericão, colocar a água quente, tampar a panela e deixar cozinhar em fogo baixo até secar a água. Desligar o fogo e misturar a ricota ralada, aguardar alguns minutos com a panela fechada antes de servir.

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Ricota defumada


Ricota não é queijo:
     Qualquer tipo de queijo passa pela mesma maneira de produção, na qual adicionamos ao leite alguma substância para produzir a coalhada. A partir desta é extraído o soro e pronto, já obtivemos um queijo fresco típico, como por exemplo o  boursin,  que temperado é perfeito para acompanhar todo tipo de pães.
     Mas do soro também é obtido um produto muito consumido, a ricota, que nada mais é que um sub-produto do queijo.
     Após o soro ser extraído, é aquecido até que toda a água evapore, restando um resíduo sólido, a proteína do leite. Esta então é colocada em formas e prensada, gerando a ricota, que pode ser preparada de várias formas, fresca ou curada, salgada ou não. Assim ela pode compor pratos diversos, quentes ou frios, doces ou salgados.
    Pelo seu  valor calórico muito baixo, a ricota é especialmente  indicada para dietas.

terça-feira, 8 de novembro de 2016


A origem:
     Sabemos que a mais de 7000 anos os seres humanos progrediram de simplesmente caçar animais para domesticá-los, cabras, ovelhas, vacas e búfalos, incorporando assim o leite destes à sua dieta desde então.  Embora não saibamos exatamente quando as pessoas começaram a compreender as propriedades e comportamento do leite, do qual o queijo é feito, há evidencias de que já era consumido mesmo na pré-história. Talvez tudo tenha começado quando colocavam o leite como oferenda para os seus deuses, observando que depois de certo tempo ficava espesso, o efeito das bactérias transformando a lactose em ácido láctico. Os povos que viviam em locais onde o clima mudava em cada temporada  podiam perceber que as alterações ocorriam também sob o efeito da temperatura, e que nas cavernas, no fogo e nas estações quentes o leite coalhava mais rápido. Esta é considerada a primeira tecnologia para produção de queijos.

Degustando:

     Os queijos frescos adaptam-se a todos os tipos de pratos e são os mais simples, pode-se dizer que são a segunda etapa na produção. Depois de coalhado o leite para produção de queijos a primeira etapa consiste em retirar o soro do leite; a segunda é a adição de sal, colocando-o nas formas para ser prensado. Ao tomar forma obtém-se assim um queijo fresco.

Sugestão de consumo:
     Salada com queijo fresco:
     300 g de queijo minas frescal,
     150 g de tomate cereja,
     1 colher de sopa de manjericão fresco
     1 colher de sopa de azeite de oliva 
      Cortar o queijo em cubos e colocar em um prato fundo, acrescentar os tomates lavados, picar o manjericão e misturar aos demais ingredientes, regar com o azeite e servir.